sábado, 11 de fevereiro de 2012

Algo sobre precisar querer


"Eu creio que a senhora sonha talvez demais.Sonhará uns amores de romance,quase impossíveis ? Digo-lhe que faz mal,que é melhor,muito melhor contentar-se com a realidade; se ela não é tão brilhante quando os sonhos,tem pelo menos a vantagem de existir"
A mão e a luva,Machado de Assis

E bem que eu gostaria de me contentar com o que está na minha frente,mas o sabor não é o mesmo,na verdade isso tudo é tão insosso.Eu só quero o que já passou,e não voltará nem na mesma intensidade,nem parecido,nem de jeito nenhum.Eu só quero um futuro distante,e reduzi-lo em semanas.Eu só quero terminar isso e começar algo novo - E essa é uma obsessão minha,querer finalizar o mais rápido possível e começar pelo começo,mas um novo começo - E que se dane a tal da sociedade pós-moderna,que acredita apenas na finitude,eu infelizmente faço parte dela e já fui contaminada.E por falar em sociedade pós-moderna,de valores líquidos e de um mundo enfestado de turistas e quase nenhum peregrino ( o que importa para o peregrino é a busca,entrar em contato com o novo,fazer parte,enquanto o turista se importa apenas com a chegada e os prazeres),eu acredito que não é um caso perdido,não é verdade que reconhecer o problema é o passo mais importante ? O que há ? Os problemas do mundo me afetam profundamente,mas eu passo mais tempo desejando o momento em que esses problemas forem solucionados do que repetindo o que é óbvio.Eu prefiro me concentrar no remédio que na doença.Há uma certa esperança que me motiva e que torna esse aglomerado de confusões,males e dificuldades,que deve-se ressaltar são individuais e pertencentes ao mundo inteiro,menos sufocante.E,infelizmente,devo admitir que vou continuar sonhando com o mais difícil.Com um rapaz gentil,bonito,paciente,inteligente e extremamente apaixonado.Com ruas lindas,limpas e hamornicamente decoradas por onde eu possa passear e suspirar com tanta beleza.Com vizinhos que se ofereçam para me ajudar e que olhem para os lados enquanto caminham.Continuarei acreditando que daqui a pouco tempo estudantes mil vezes mais preparados e menos estressados estarão sendo formados.Que essa educação para defunto e esses caradirus que chamam de escolas estarão erradicados.Que eu vou poder viajar com maior facilidade e reencontrar aqueles que amo.Acredito,sobretudo,que algum dia,quando eu estiver verdadeiramente triste,pessoas olharão o meu rosto,peguntarão se há algo errado e vão,finalmente,ouvir.Sei que é difícil.Mas isso tudo é tão,tão pouco.

P.S.: imagem do filme Aladdin,no momento em que toca " A whole new world "

7 comentários:

Milena M. disse...

Eu acho que sempre digo algo parecido quando venho aqui, mas, menina, você é um gênio.
Eu leio seus textos e paro pra refletir sobre isso e fico impressionada com tanta sabedoria. Tem certeza que tem só 16 anos? haha
Vamos gritar pro mundo parar de nos mandar parar de querer tanto. Acho feio se contentar com algo que deveria ser mudado.
Beijo!

Ana Luísa disse...

Olha, eu achei fantástico o trecho do Machado que você colocou lá em cima, mas é lindo só na teoria, haha. Eu jamais conseguiria parar de sonhar!

Larissa V. disse...

ótimo texto!
Apesar de ser extremamente racional em questões de sonhos e fantasias, eu entendo perfeitamente o que tu quis dizer. Um mundo que não está tão distante das pessoas quanto elas pensam. Esse mundo é completamente aceitável, as pessoas só precisam deixar de olhar para o próprio umbigo, deixarem de ser simplórias e hedonistas. Então, assim, coisas melhores e até românticas demais para alguns de nós aconteçam. Não é impossível, mas na sociedade deturpada de hoje, é improvável. Mas, o improvável não nos acontece todos os dias? :)
:* beijo!

Lorena Rocco disse...

Aaah, adoro Aladin. hahaha =)

Sim, Umbu é uma fruta beeeeeeeem comum aqui no Nordeste é tipica clima arido, tipo sertão.
Eu realmente não sei como ela se chama em outras partes do pais, mas é verdinha e bem azeda!

Olha a foto: http://2.bp.blogspot.com/_wQZ-DdUCnaM/TUsQI8pSB-I/AAAAAAAABAg/AdoY4dblGCY/s1600/82003442_c1fb31b568.jpg

Se reconhecer e souber o nome dele por ai, me diz.

=*

Vanessa disse...

Eu acho que a questão é nos concentrar no hoje, pois é no hoje que mudamos o que está errado, construímos o diferente e fazemos a diferença.

Milena M. disse...

Uma difícil missão, mas vamos lá.
Não vou tentar te convencer, mas vou te contar os prós e contras.
Entre RI e Direito, eu escolheria RI mil vezes. Por quê? Bem, porque eu tenho a necessidade de FAZER coisas. E acho que em RI existem mais possibilidades. Você pode trabalhar como pesquisadora (o que teria de vir acompanhado de aulas, porque o salário de um pesquisador não é lá essas coisas), no setor privado (comércio exteior), no setor público (órgãos do governo, diplomacia etc) ou no terceiro setor (ONGs). É complicado e não é o mercado mais fácil do mundo, principalmente se você não quiser comércio. Mas eu acho que na área é possível você estudar a realidade de diversos países e trabalhar em prol de uma melhoria. Enquanto no Direito eu vejo muita tradição e acho que muita coisa se perde quando a gente fica só repetindo uma ação, sem grandes mudanças.
Enfim, me manda seu email que eu te dou detalhes mais técnicos. Beijo!

Fran Carneiro disse...

Menina, que coisa linda.

Eu acredito que as pessoas deviam sonhar mais, acreditar nisso e nos deixar sonhar. E acredito que elas deviam ter coragem para sair da zona de conforto que a acomodação nos dá.

(: