sábado, 1 de outubro de 2011

Você sente ?


Estou convencida de que por algumas razões como signo,inquietude mental,profundidade,sempre vou sentir mais do que os outros.Sempre me contentei em saber que as pessoas não sentiriam na mesma intensidade que eu,não se importariam do mesmo modo como eu me importo,não dariam valor às coisas na mesma proporção que eu dou e provavelmente esqueceriam algumas palavras que chegaram a me ofender,mas que eu,com toda a certeza e lastimavelmente,as guardaria como forma de aviso,carregaria por um longo tempo essas tristes lembranças.

E quando eu me tornava quase indiferente diante da indiferença dos outros,eis que me abismo com uma reação de extrema frieza,partindo,a razão da minha surpresa,de alguém que eu considerava um ser "sentinte".Tive a infeliz ideia de comentar que meu avô estava "repousando eternamente" e depois de muitos "por que tu vieste para a escola?", "quantos anos ele tinha?" e "qual a causa? eu escuto um "mas tu nem pareces triste! "

Enquanto eu sentia demais e os outros de menos eu implorava para mim mesma para ser normal,para não acordar com grandes expectativas - hoje vai ser só mais um dia - uma das poucas pessoas,além de mim,que parecia ir contra tudo isso,era a diretora da minha escola,sempre que via os alunos,soltava rispidamente: "Vocês estão todos frios e indiferentes".Não sei se é um comportamento forçado adolescente ou forçado e moderno,só sei que nesse fingimento de que tudo é normal e que ninguém sente nada e por nada,houve uma dissolução do que é verdadeiro,e o fingimento se fundiu com a realidade e a maioria,de fato,não sente mais.Não sei também se há solução para isso.

A verdade é que assisti à uma palestra muito interessante,que fora as outras coisas muito sábias ditas pelo palestrante,ele fez uma citação muito bonita e inesquecível para mim,é claro: "não vos
conformeis,mas transformai-vos".E então coloquei na minha cabeça que não,eu não estou errada,não é normal ser indiferente,até porque dificilmente eu conseguiria ser assim.Ao término da palestra me surpreendi ao saber que teve gente que até chorou ouvindo as coisas que haviam sido ditas,se emocionaram - não sei se mais do que eu - mas sentiram.Então,diga-me que você sente,para eu poder acreditar que posso estar errada,eu espero estar errada.

2 comentários:

Milena M. disse...

SINTO, SINTO E SINTO. Também já me contorci tentando entender como as pessoas conseguiam não sentir tanto.
Hoje acho que tudo depende, talvez a gente vá ficando mais disposto a relativizar com o tempo. Tem sim algumas pessoas que simplesment não se importam, outras se importam com coisas que a gente nem vê, enquanto algumas se importam como nós.
Nunca deixaremos de sentir, Laís. Mas acredito que valha a pena. :)
:*

Lorena Rocco disse...

Lindas palavras... Tento abstrai um pouco os sentimentos, mas não é que não SINTA nada.
É que por formação, ADMINISTRAÇÃO, eu acabo relegando sentimentos a segundo plano. enfim, você esta certa, certíssima. Cada um eh do seu jeito e vê o mundo do seu jeito... com sentimentos ou não.

=*