sexta-feira, 26 de março de 2010

Adolescentes



De início a preparação,ou melhor,pré-adolescência.Aquela idade em que você quer ser adolescente,mas é na verdade uma criança.Na tentativa de parecer mais velho,você passa a escutar rock,mesmo não entendendo bem o que o vocalista canta.A ideia é se afastar de tudo colorido e alegre,se envergonhar com a presença dos pais,querer ser independente e exagerar no drama,exatamente como os atores de seus programas sem nexo fazem.Atingimos assim a rebeldia parte 1.

Depois dessa fase humilhante que é a pré-adolescência,alcançamos a não mais tão sonhada adolescência.A partir daí são turbilhões de mudanças,fases e dúvidas.

Só queremos achar um grupo e ter uma personalidade marcante,e isso quer dizer muitas vezes que devemos ser radicais na imagem que transmitimos.Nossos ídolos que antigamente eram apenas pessoas que nos alegravam,tornam-se amores platônicos.Então rostos de gente famosa estampam paredes de quarto e capas de caderno.precisamos mostrar ao mundo o que sentimos e o quanto somos fãs.Não vemos graça no mundo real e nos desligamos dele,o que desagrada familiares e desencadeia uma série de discussões em casa.Estamos sempre desligados,no mundo platônico,no nosso mundo,em casa.

Nada nos agrada e todos se intrometem em nossas vidas.Nos sentimos sozinhos e nosso rock,agora mais melancólico,só acentua esse sentimento.Não escutamos ninguém e a melhor estratégia é se afastar de todos.São tantos problemas:Espinhas para espremer,cabelos compridos para cortar,ganhar massa corporal,ter que tirar boas notas e mais um dia de brigas,raiva e desaprovações para aturar.É tudo muito chato e parar para resolver essa situação não é boa escolha.

Finalmente tudo está azul.Graças a um instrumento relaxante que você vem escutando,sua mente desestressa.Problema é só capitalismo,o que vem acontecendo com o meio ambiente e com a sociedade.Não perdemos a calma,muito menos o otimismo.Basta lembrar as notas do violão,as letras do seu reggae favorito e a simplicidade das maravilhas que Deus nos deu,que tudo melhora.Infelizmente a escola quer nos prender demais,mas nós nem ligamos pro que ela diz,afinal,eles não sabem o quão brilhantes somos e não é exatamente isso que os verdadeiros gênios entendem por sabedoria.Por que não nos deixam simplesmente curtir um rock antigo?Menosprezamos a escola,ela nos menospreza e em casa as gritarias aumentam.

Ficamos relaxados e não é mentira.Desde quando você é fã dos anos 70?O que há de bonito em gente sem roupa e cabeluda?Pra onde essa admiração pela filosofia hippie está te levando?Ah,você sabe que não é tão simples assim,não sobreviveria com o socialismo e sabe mais ainda que é fã dos Estados Unidos da América.É,está louco da vida para ir pra lá e mal pode esperar pra fazer intercâmbio.Lá é o lugar de origem da maioria dos seus sonhos,uma cultura que convive indiretamente com você,mas que você já tem um grande conhecimento sobre ela.

Procuramos por anos um lugar onde possamos nos encaixar,mas sabemos que logo logo vamos nos decepcionar e voltar ao nosso ponto de partida.Do que adianta fazermos parte de um grupo onde um padrão é definido,se somos exatamente a mistura e um pouco do que há em padrões distintos?

Somos diferentes e essa é chave.Por mais parecidos que possamos ser um com o outro,sempre temos nossa excentricidade e nossos segredos mais ocultos.Nós,adolescentes,por mais que tentem nos compreender,sabemos que somos um caso à parte,a exceção a regra.Adultos tentam nos desvendar de um jeito científico,superficial e generalizado,totalmente contrário a o que somos:profundos e únicos.

Por mais que sejam só fases da vida,todas as ideias que já adotamos permanecerão vivas e continuaremos defendendo-as,mesmo que secretamente.Quando envelhecer,estiver trabalhando ou ser uma pessoa séria,sempre lembrarei como a adolescência foi importante e não foi só mais um momento ruim que deve ser apagado.Terei certeza de que o amor que sentia pelas minhas bandas favoritas era de verdade,que os meus ídolos e a filosofia hippie eram realmente dignos de admiração,continuarei acreditando que o sonho não acabou,e perceberei que apesar da pouca idade,já tives grandes ideias por conta da minha inocência,intensidade e um pensamento sonhador,coisas que com o tempo vão se perdendo.

Por sorte temos duas coisas que sempre vão nos acolher,por mais errados e esquisitos que sejamos:nossa casa e aquele rock de sempre.

6 comentários:

Fernanda Zanol. disse...

Me identifiquei em várias partes do texto. E, se tem uma coisa que sempre foi muito presente na minha adolescência e ainda é, são as bandas, meus ídolos, meu amores. E eles podem até ser platônicos, mas EU sei que é verdadeiro. E sempre vou saber, mesmo que ninguém me entenda.

beeeijão ;*

Regina Zanette disse...

Acho que todo o adolescente se identificaria. Você descreveu nossa vida, nossa rotina. Mas tudo numa forma surpreendente, que me fez prender os olhos no que eu já conhecia.
Te sigo, beijos.
http://b-noitecinderela.blogspot.com/

Bill Falcão disse...

Simplesmente sensacional este post, Laís!!!
E olha que minha adolescência (cronológica) já passou há muito tempo.
Eu falei da cronológica, porque, na vida prática, pouca coisa mudou em mim desde a minha adolescência. Não fiquei mais conformado com nada, continuo não aceitando o que não aceitava naquela época. Mudei, talvez, para os outros. Para mim, continuo quase o mesmo, ou o mesmo, apoiando o que apoiava antes e reprovando o que reprovava também.
Sei que a maioria entra diferente na chamada fase adulta. Mas eu sempre fiz parte de uma minoria. Naquele tempo e hoje também!

E a senhorita tá convidada pra nossa festa de aniversário, OK?
Bjoooooo!!!!!!

Nathalia disse...

adorei seu blog é muito legal. vc pode visitar o meu? cantinhocordrosa.blogspot.com

Estou seguindo o seu =)

beijos

Milena' disse...

Laís, você nos desvendou agora, hein?
Concordo em praticamente tudo.
Sabe, dá até uma angústia quando eu penso que vou perder esse idealismo, essa minha teoria de que a vida é mais simples do que parece. Tomara que eu não perca. Nem eu, nem você, nem todos nós.
:*

Luh* disse...

São fases q vamos passando, mas não vamos viver de passado!
beijos